Deixe um comentário

Celebrar: 12 de Junho.

Estava me lembrando desta data no ano passado.  Eu e o Lincoln saímos para comemorar e eu, atrapalhada como sempre, quase pus tudo a perder enchendo nosso “Camarão ao Alho e Óleo” de adoçante, graças ao ambiente em meia-luz onde fomos jantar. Acho que não enxerguei a diferença entre a embalagem do adoçante e a do sal, que era o que eu queria colocar no camarão – imaginem que combinação alho e adoçante!! Aiiiiiiii que raiva de mim!! E estava tudo tão bom!! Espero que este ano seja melhor e que eu não faça nenhuma trapalhada.

Muita coisa aconteceu esta semana que me deixou muito triste e preocupada, mas agora já está tudo bem. Não importa que dificuldades surjam, não podemos permitir é que estas nos afastem ou façam com que entremos em conflito. Não podemos permitir de jeito nenhum!
Lembro-me do dia em que o conheci e acho que ele nem se lembra disso… Foi engraçado, agora parando pra pensar, parece coisa de cinema sabe??? Hauhauauau… Eu tinha 1 semana no trabalho e tínhamos ido a um evento da empresa (sim, trabalhamos na mesma empresa) numa praia fechada do Guarujá – Forte dos Andradas.

Eu não conhecia ninguém ainda, e tinha ido buscar o freesbie que estávamos jogando (Juliana e eu) e tinha caído perto dele, que me entregou sorrindo. A Ju, que hoje é uma amiga querida demais e que era a única pessoa que eu conhecia na época, me falou: “esse é o Lincoln, ele também é novo, entrou há um mês e é muito bonzinho”. E esse foi nosso primeiro contato.
Durante os próximos dois anos, ficamos amigos, mas nem conversávamos muito. Eu o achava uma boa pessoa, mas nunca nem o tinha olhado com outros olhos mesmo porque ele ainda era casado e isso é algo que eu sempre respeitei muito, graças a Deus.

Alguns meses depois que se separou, ele começou a demonstrar (abertamente) interesse por mim e eu fiquei muito confusa no começo. Queria esperar para ver se ele não ia mesmo voltar com a ex-mulher e tinha medo que achassem que eu tinha algo a ver com a separação. Mas eu tinha um carinho especial por ele, por causa do seu caráter e da sua bondade. E mesmo depois, quando estávamos juntos, demorou muito para eu me abrir, permitir me apaixonar por ele, porque tinha muito medo de como seria difícil por ele já ter tido um casamento e eu, com 21 anos sem nunca ter nem namorado sério… achei que meus pais iriam surtar!!! – e surtaram mesmo… mas isso é uma outra história. – Mas, o que me fez me apaixonar por ele, foi seu coração. As coisas que ele fazia pelas pessoas.

E agora, diante de coisas que vi acontecer, fiquei triste por ele. Vendo que, pessoas por quem ele fez demais, mais do que qualquer um teria feito, pessoas que perdoou após falhas irreparáveis, não se importam com ele e nem reconhecem tudo o que fez… Isso me parte o coração, não porque o ame como meu marido, mas pela pessoa que eu sei que é. Odeio injustiças!!!

Quando começamos parecia inacreditável dar certo. Eu gostava de rock, saía para baladas todo final de semana, assistia filmes de terror e não queria me prender a ninguém porque não conseguia mais confiar depois de uma decepção que já tinha alguns anos pela qual tinha passado. Eu tinha poucos amigos, por ser um pouco tímida, mas as amizades que tinha eram verdadeiras.

Ele era muito mais comunicativo e brincalhão, mas também era mais caseiro e preferia ficar com a família. Gostava de música sertaneja a maior parte do tempo, mas também ouvia MPB e pop rock nacional. Odiava (e ainda odeia) filmes de terror. Não costumava beber…

Aos poucos fomos adquirindo algumas características um do outro e acho que estes detalhes foram ficando de lado e se tornando insignificantes diante de tudo o que descobrimos ter em comum – e a vontade de estar junto crescendo. Eu nunca me imaginei saindo de casa para morar com alguém. Minha mãe tira sarro de mim até hoje, porque eu dizia que nunca ia me casar, que ia ser uma daquelas mulheres independentes que se afogam no trabalho e saem para se divertir a noite… hauuauaua… Mas de uma hora para outra, quando todo mundo ficou contra a nossa união, eu simplesmente peguei as minhas coisas e fui morar com ele. Assim, sem dinheiro, sem um plano. Somente a cara e a coragem e o sentimento no coração. Tudo bem que chorava todas as noites sentindo falta da minha mãe, da casa cheia, do barulho… eu amava aquilo demais! E de uma hora para outra éramos só nós dois, e quando ele não estava, era só eu, fazendo coisas que eu nunca tinha feito na vida (cozinhar, por exemplo).

Ainda me lembro do meu primeiro “Ovão” – rsrsrsrsrs. Eu achava que jogando os ingredientes na panela e quebrando um ovo em cima, viraria uma omelete… hauhauahuaua. Bem nesse dia o Lincoln levou um amigo nosso, o Fabinho, que depois foi nosso padrinho de casamento, em casa. E foi ele quem batizou o prato como “ovão” e depois ficou meses me chamando assim… Humpf!!! Ainda bem que descobri que amo cozinhar e até a minha mãe, que sempre foi super crítica comigo, diz que cozinho muito bem – então, eu acredito mesmo nisso. Sorte dele. =)

Aliás, acabei fazendo uma retrospectiva aqui… Acho que já perdi o foco inicial do texto faz tempo, mas amo rever a nossa história passando em minha mente como se fosse um livro. Talvez um dia a escreva, mas não sei, porque tem passagens que prefiro não lembrar. Foi tudo tão difícil… tive tanto medo… mas o importante é que valeu a pena cada rochedo que tivemos de escalar. Acho que isso nos tornou mais fortes e unidos e, mesmo que não dure para sempre, como eu espero que dure, acho que valeu a pena porque foi muito intenso. Até mesmo as complicações provam que estávamos dispostos a ficar juntos de verdade, porque fácil não foi de jeito nenhum.
Este é o nosso 6º dia dos Namorados e é isso o que eu gostaria de celebrar hoje. Foi uma verdadeira luta ficarmos juntos, e ainda é. Passamos por muitas dificuldades em todos os sentidos, já estivemos perto de perder a cabeça muitas vezes, já trocamos palavras que nos magoaram, mas nunca nos afastamos de verdade e é disso que eu me orgulho e é isso o que eu quero comemorar.

Eu sei que não sou perfeita. Sou insegura, às vezes meio depressiva e chorona, medrosa e irritante. Sou um pouco bagunceira e esquecida, fico muito tempo no computador, não durmo muito à noite e ficava conversando com ele para que ficasse acordado comigo. Gosto de dormir agarrada e o sufocava no começo, (mas agora percebi que, se não o agarro, ele agarra)… huauhauha Porém, acho que nunca poderá dizer que não o amei de verdade, intensamente e que não passei por cima de tudo e de todo mundo para ficar ao seu lado e apoiá-lo, por mais difícil que pudesse parecer.

Espero poder fazer isso sempre e sempre… Mas, de preferência, que agora possamos desfrutar um do outro e dar continuidade à nossa família, e que todas as dificuldades fiquem no passado.

E ele fez demais por mim. Muito mais até. Eu sei que me tornei uma pessoa melhor por conviver com ele. Aprendi tudo sobre a vida, antes, minha vida era fútil e não tinha muito sentido… cresci muito, graças a ele.

Enfim, que sejamos felizes e pronto!

Beijos!!

assinatura1

P.S. (Te amoooooooooooooooooo)!!!!!!

Frames e elementos by Boutique Cute Dolls & Loreta Labarca in Yes I do (Breve)!!! Aguarde!!!!!!!!!

Deixe seu comentário sobre o post!! Bjs!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: