5 Comentários

Minha história de pré-eclâmpsia (Parte I)

Quando a gente vive uma situação difícil, do tipo que nunca imaginou que poderia  acontecer conosco leva um certo tempo para superar de verdade. E cada um tem um jeito diferente de lidar com a situação. A minha ainda vai demorar um pouquinho para ser 100% superada, porque minha bebê ainda está na Neonatal, ainda estamos evoluindo com ela aos pouquinhos e respeitando o tempo da Rebequinha de respirar bem, ganhar o peso necessário e desenvolver bem o seu sistema imunológico.

Mas para mim um jeito de superar bem o que eu vivi tentando prolongar a gravidez e mesmo depois enquanto fiquei na UTI, e também uma forma de talvez ajudar outras mamães que possam estar passando por uma situação semelhante, é contar o que aconteceu comigo e como aconteceu, desabafar mesmo. Eu escrevi ( e ainda estou escrevendo) a minha história e vou postando aqui em partes, porque a história é longa… rs

Beijinhos!!!

O layout que fiz com essa primeira parte, que será impressa para um álbum que vou fazer para a Rebequinha... I Feel Pretty by Boutique Cute Dolls @ After 5 Designs

ooo

Minha história de pré-eclâmpsia (Parte I)

Eu sempre fui uma pessoa medrosa, nunca imaginei ter forças para enfrentar algo como o que enfrentei e ainda estou enfrentando.  Ainda estou um pouco deprimida apesar de ter conseguido sobreviver  e de minha filha estar conseguindo lutar por sua vida, cada dia ganhando uma batalha, conseguindo pequenos progressos que são fundamentais para que ela consiga sobreviver e ter uma vida saudável e normal, como a de qualquer criança que tenha nascido sem qualquer complicação.

Eu tive uma gravidez normal até os seis meses  de gestação.  Tive enjoos e muito sono até o quarto mês de gravidez, não conseguia nem comer muito de tão enjoada que estava. Após o sexto mês, apesar de não achar que estava comendo muito, engordava muito de um mês para o outro e estava bastante inchada. Inchavam os pés, pernas, até o nariz… comecei a me preocupar com isso, mas quando procurava farmácias ou um médico para medir a pressão arterial ela continuava boa como sempre. 11 por 8, 12 por 8, não passava disso – e os médicos me mandavam ir para casa. Acho que achavam que eu estava com preguiça de trabalhar.

E eu continuava trabalhando, inclusive nos sábados e domingos, conforme minha escala na empresa.  Como eu trabalhava sentada por muito tempo, não conseguia muito me movimentar pelo volume de trabalho, eu inchava mais ainda. Já não suportava a dor e dormência nos pés. Nem os calçados que havia comprado após a gravidez, um número maior que o que usava antes, entravam nos meus pés. Eu tinha que pisá-los e amassá-los para continuar usando-os.

Ainda assim, os médicos diziam que era normal inchar na gravidez, que algumas mulheres inchavam mais que as outras. Apesar de estar apenas com seis meses, ter engordado dez quilos no mês  e estar até mesmo com o rosto desfigurado pelo inchaço. Eu sabia que algo estava errado, mas não conseguia provar que precisava de atenção porque a minha pressão estava dentro da normalidade.

Até a primeira vez que mediram minha pressão e ela estava alta. Não me lembro ao certo quanto estava medindo, acho que começou com 17 por 10. Fui para o hospital e o médico logo ao ver meu cartão de pré-natal decidiu que eu estava inchada daquele jeito porque tinha ganho muito peso. Me disse que eu não estava pesada por causa do inchaço, mas sim, que eu estava inchada por ter engordado muito. Fiz exames de sangue e urina e nada foi detectado. Mesmo tendo certeza de que não estava comendo em exagero diminuí minha dieta. Parei de jantar e comecei a comer frutas à noite, mas não parava de ganhar peso.

Deste episódio peguei um atestado de três dias, e ficaria em casa até a próxima segunda-feira em repouso. Nos dois primeiros dias, sexta e sábado a minha pressão baixou com os medicamentos que ele me passou. Imaginei que segunda-feira estaria pronta para voltar ao trabalho bem, na medida do possível. Mas no domingo minha pressão voltou a subir muito  e eu estava muito mais inchada, meu rosto estava horrível, redondo e eu nem parecia a mesma pessoa.

Voltei ao hospital e a médica de plantão que me atendeu ficou bastante preocupada. Me pediu para repetir todos os exames, sangue e urina, e nada foi detectado. Foi a primeira vez que o nome “Pré-eclâmpsia” foi citado, embora pelos exames  que foram feitos não foi diagnosticada. Ela ligou para a minha médica e avisou sobre os problemas que eu estava tendo. A Dra. disse que poderia me atender dois dias depois em seu consultório…

Continua

5 comentários em “Minha história de pré-eclâmpsia (Parte I)

  1. Força menina!
    Estou rezando por vocês!
    Se precisar de qualquer coisa chama hein?

    beijo enorme e fiquem com Deus
    Lele

  2. Oh minha florzinha… sinto muito por saber disso, mas tenho fé de que tudo vai dar certo. Muito nobre você em compartilhar no intuito de ajudar outras mamães. Também passei pela pré-eclampsia, mas foi no oitavo mês e menos preocupante, deu tudo certo e a Nonô desenvolve muuuito bem obrigada, por isso sei que a Rebequinha também vai enfrentar essa! Bj gd.

  3. Nossa como foram relapsos com você. Espero que Rebeca esteja melhorando a passos largos e que logo vocês nem se lembrem mais desses problemas. Força e lembre-se de nosso carinho sempre.

  4. Vany,
    Estou torcendo muito pela sua recuperação e da Rebeca! Receba um abraço bem apertado e cheio de carinho!
    Tati

  5. Brigada meninas, graças a Deus está tudo caminhando bem agora. Às vezes a gente precisa passar por algumas coisas na vida para nos fortalecer e crescermos. Beijinhos!! =)

Deixe seu comentário sobre o post!! Bjs!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: